4 de jan de 2009

Padrinho mágico

Inspirada num maníaco de olho verde


- Vou pra Curitiba amanhã, de férias. Quer que te traga alguma coisa?

Seus olhos brilharam. Ela nem pestanejou.

- Um autógrafo do vampiro de Curitiba.

Ele sabia do que ela falava. Riu.

- Vou tentar.

Ela sabia que ele tentaria, mas também sabia que seria quase impossível. O vampiro era recluso. Não dava autógrafos. Não concedia entrevistas.

Ele foi. Percorreu a cidade inteira até encontrar o vampiro. Tinha um livro nas mãos. Contou a história da amiga ao vampiro. Ele autografou o livro com uma dedicatória.

Missão cumprida. Ele voltou.

Ela o recebeu com a alegria de sempre. Ele tinha um livro nas mãos. Abriu o livro e mostrou-lhe a folha de rosto. Ela vibrou.

- Você é meu padrinho mágico. Obrigada.

Tomou o livro e olhou a capa. O maníaco do olho verde.

Começou a chorar sentido e, entre lágrimas, indagou:

- O que faremos hoje? Preciso te contar como me apaixonei por um maníaco de olho verde.

Ele a fitou. Viu que a amiga falava sério.

- Vamos tomar um saquê e você me conta essa história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário