5 de jan de 2009

O contador de histórias

Inspirada numa razão para viver

“Hoje eu fiz dois gols. Um de falta. O outro, vim driblando desde a zaga. Cortei meu marcador com um totózinho. Trouxe a bola pro pé direito. Chutei. Indefensável. Gol. No segundo tempo fiquei de goleiro. Defendi um pênalti. Foi por um tiquinho assim que não defendi o gol de empate. Minha zaga era muito fraca e se não to lá na frente, ninguém mais faz gol. A professora me elogiou hoje. Quer dizer, as professoras me elogiaram. A de educação física porque eu sou o craque do time e a da classe porque fui o primeiro a terminar a conta de matemática. Expressão numérica. Mó difícil. Você não ia conseguir fazer porque não é boa de matemática. Só de português. Aí deixa eu e meu pai no chinelo. Até agora tava sol. Mas começou a ventar e tá garoando. Não posso brincar lá fora então vim aqui te contar um coisa. Não chora. Sonhei com ele essa noite. Ele me chamou de tato e me pediu pra jogar bola. To com saudades. Quando você vai poder levantar pra brincar comigo? Mãe, você tem que ver a menina nova que entrou na escola. Ela é linda. Você não vai acreditar. Tem o mesmo nome da outra. Acho que ela gosta de mim. Me chamou pra brincar de pega-pega no recreio, depois esbarrou comigo no bebedouro. To fazendo sucesso com a mulherada. Mas me fala, quando você vai poder levantar pra brincar comigo?”.
- Não sei, depende do médico. Deita aqui um pouquinho comigo?
“Você ainda tá muito machucada, mãe.”
- Só um pouquinho.
“Tá bom. Vou deitar com cuidado. Me avisa se doer. Pronto. Que travesseiro duro. Vou buscar o meu que é mais gostoso. Não saia daí. Piada sem graça, né mãe? Já volto e te conto sobre meu novo jogo de vídeo game e o carro turbinado que desenhei. Vou pedir pra vó cortar minha unha, pra eu não comer e você ficar feliz.”

O contador de histórias era a única razão para ela continuar vivendo.

5 comentários:

  1. Menino maroto, pavor de vó... joga bola dentro de casa.
    - Eu não tenho do que brincar!
    Menino educado, amor de vó... beija todo mundo quando chega.
    - Tenho medo de ficar igual a prima chata!
    Menino em fase de crescimento, tormento de vô...
    - Tem alguma coisinha pra comer?
    Menino carinhoso, delírio de tia...
    - Eu vou com a minha tia!
    Menino companheiro, fortaleza de mãe...
    - AH, NÃO! Se ela não for eu não vou!
    Menino atleta, delírio de pai...
    - Eu ganhei... mas foi de W.O. O menino não foi!
    Menino de personalidade...
    - O pai e a mãe que briga, e a criança é que tem que ficar viajando?
    Menino preguiçoso...
    - Pega um copo de água pra mim, cheio de amor, bondade, paz e carinho do jeito que só você sabe?
    Sobe, desce, deita, rola, voa, salta!
    Videogame, bicicleta, bola, computador, pula, come, bola, dorme, bola, corre, bola!
    Corpo de criança... alma milenar!

    ResponderExcluir
  2. Pô. Que lindo. Frescura ao vivo. Coisa de São Paulinos.Bicharada solta em Limeira.
    Entretanto, não posso passar despercebido, que é uma fábula de passagens lindas de morrer.

    Meus parabéns.
    Meu neto é mesmoo filho do meu filho Kim.

    Beijos, do vovo PELANCA.

    SP/06/01/09

    ResponderExcluir
  3. Preciso agradecer todos os dias este contador de histórias.

    ResponderExcluir