18 de jul de 2009

Um agrado

Inspirada num dia frio


Ele não ligou como prometera.

Ela tinha passado o dia com o celular na mão, checando-o de minuto em minuto, mesmo sem ter tocado.

A noite, em claro, fora um martírio.

Pela manhã estava com olheiras e mau humor.

Depois do costumeiro café, sem açucar, saiu às compras.

Como no dia anterior, foi para a loja de lingerie, mas dessa vez, não escolheu conjuntos sexies, nem calcinhas provocantes. Comprou um pijama longo. De flanela.

Dirigiu-se ao supermercado e, no lugar de comprar ingredientes para um jantar romântico e velas, comprou lasanha congelada, chocolate, pipoca de microondas e lenço de papel.

No mercado municipal presenteou-se com luvas, um gorro e longas meias coloridas, com dedinhos.

Antes de voltar para casa, parou na locadora e escolheu meia dúzia de filmes antigos, em preto e branco, daqueles que tornam o choro inevitável.

Já em casa, descarregou as compras, ligou um Blues e entrou no banho.

Enquanto a água fervente escorria por seu corpo, ouvia Stevie Ray Vaughan e sentia raiva de si mesma. Dois dias antes havia se depilado inteira. Teve náuseas de dor a cada puxada de cera, a virilha ficara avermelhada, mas tudo era válido para agradá-lo.

Desgraçado, sofrera em vão.

Ao som da gaita de Cephas & Wiggins, secou os cabelos, vestiu o pijama novo, o gorro, as luvas e calçou as meias com dedinhos.

Gargalhou ao se ver no espelho. Aquela era ela. Nada convencional. Estava com saudades de si mesma e se jogou um beijo estalado.

Levou para a cama seu "kit-dia-frio-deprê": comida pronta, chocolate, pipoca, lenço de papel e uma garrafa de vinho (intacta desde a noite anterior).

Colocou o primeiro filme e aconchegou-se.

Pronto.

Agora sim, poderia chorar todas as suas mágoas.

2 comentários: