29 de jul de 2009

Coração partido

Inspirada num número da sorte


A médica a atendeu no horário e isso lhe deu mais confiança.

Não queria admitir, mas estava em pânico.

O histórico familiar pesava.

Tentou agir naturalmente ao reponder todas as perguntas de rotina.

Demoradamente, a médica auscultou seu peito.

Começou a tremer.

Julgou que fosse o frio, já que estava sem blusa.

A médica segurou suas mãos.

- São sempre frias assim, suas mãos e suas unhas arroxeadas?

- Ô.

Foi tudo que conseguiu dizer.

- Precisamos medir sua frequência cardíaca.

E foi ligada a uma série de eletrodos.

Avisada de que o exame demorava um pouquinho, ficou refletindo sobre a vida.

Umas linhas engraçadas saiam do aparelho ao qual estava ligada.

Quantas vezes seu coração fora partido?

Resolveu enumerá-las:

1 - O amor que a traiu.

2 - O filho que morreu.

3 - O sonho que acabou.

4 - A paixão que partiu.

5 - A amiga que perdeu.

6 - A escola que deixou.

Seu coração fora partido seis vezes já.

Irritou-se, porque o número de vezes partido, dividido por sua idade, não dava um número inteiro.

Detestava conta fracionada. Nunca fora boa de matemática.

Com um suspiro, a médica sentenciou:

- Você precisa de uma cirurgia cardíaca de emergência.

Deu um sorriso. Seis partes. Ainda lhe sobrava uma.

Um gato tem sete vidas. Ela também haveria de ter.

Nenhum comentário:

Postar um comentário