18 de fev de 2009

Neguinho

Inspirada num ouvinte

Quando era pequena, nunca gostou dele.

A relação afetiva só surgiu quando se tornou uma devoradora de histórias e encontrou nele o melhor aliado para a batalha contra o sono.

Café.

Forte, fraco, doce, amargo, puro, misturado, não importa. Os grãos mágicos, que brotam em pés protegidos do vento por bananeiras, fazem do cafezal um lugar inspirador. O silêncio, as cores, os aromas, são um espetáculo que levam a mente a divagar...

Inicialmente, uma xícara bastava para mantê-la acordada por horas, devorando histórias...

Aprendeu a prepará-lo e descobriu suas particularidades, nuances, cheiros e texturas.

Podia farejá-lo à distância. Deliciava-se a cada gole. Era seu companheiro constante.

Passou a desbravar cafeterias, degustar misturebas e a tirar fotos com xicarazinhas.

Ao longo dos anos, ele perdeu seu efeito despertador, mas estava tão habituada a ter seu gosto na boca que não conseguiu abrir mão de sua companhia e, doidamente, começou a ler para ele as histórias que devorava e as histórias que escrevia.

Não sabe ao certo desde quando, mas com o passar do tempo, ele tornou-se seu melhor ouvinte e conselheiro e, a ele, decidiu dedicar uma história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário