15 de jul de 2010

Maria Ruth


Inspirada numa redescoberta

Na adolescência, naquela fase em que não sabemos qual o nosso lugar e função no mundo, muitos se perdem em sexo, drogas e rock 'n roll e fogem para um mundo só deles.
Comigo não foi diferente, mas, diferente de muitos colegas, eu fugia para dentro dos livros.
Ficar lendo por horas e horas era muito mais fácil do que encarar a vida.
Um hábito saudável, certamente, mas, por vezes naquela época, minha leitura era mecânica. Eu era uma devoradora de histórias em quantidade e não qualidade, uma vez que nem todas eu internalizava.
Fui criada com quatro tias leitoras e, por essa razão, tive acesso aos mais variados títulos, desde as novelas românticas pseudo-pornográficas-literárias de séries como "Sabrina" e "Júlia", até a clássicos como "A Divina comédia" e "O morro dos ventos uivantes".
No turbilhão dessas leituras, no entanto, sinto que deixei escapar uma história, no mínimo, interessantíssima: "Maria Ruth", autobiografia de Ruth Escobar, que guardo até hoje.
Assistindo à série de homenagens às mulheres que a TV Cultura fez há algumas semanas, deliciei-me com uma reportagem sobre Ruth Escobar, com entrevistas com a própria e depoimento de grandes nomes das Artes Brasileiras.
Essa mulher, politicamente engajada, culturalmente produtiva, emocionalmente espancada,  sexualmente cerceada, representou o feminismo brasileiro nas mais diferentes frentes.
Ao lançar sua autobiografia "Maria Ruth", rompeu com o silêncio do cinto de castidade e inspirou algumas mulheres a romperem com seus cilícios também.
É por essas e outras que, em breve, pretendo redescobrir Ruth Escobar e todas suas rupturas.

2 comentários:

  1. Hum, interessante. Nós não somos (no caso da sua adolescência, comparada à mim, que sou adolescente ainda, haha)diferentes, creio eu. Eu leio muito também, posso dizer que, assim como você, sou bibliófila, porém, prefiro os "classicões". Esse livro da Ruth parece ser interessante!

    ResponderExcluir
  2. Realmente Ruth mereceria um resgate muito maior. Uma simples biografia, um simples documentario não dá a densidade dessa pessoa ousada em todos os sentidos. Dizem nas piadas que os espanhóis são do contra... "yo soy contra", mas a Portuguesa Maria Ruth personifica isso como ninguém... Até como esquerdista era foi diferente, foi PMDB, depois PDT e PSDB e sem meio termos ela sempre foi radicalíssima em tudo que acredita.. teria muita curiosidade de saber o que pensa hoje

    ResponderExcluir