2 de mai de 2009

Abril

Inspirada numa escolha

Passou abril em branco.
Estagnada no vértice de uma dessas encruzilhadas da vida, não deu um único passo.
Ficou em pé, esperando um sinal.
Olhava para todos os lados e espreitava o horizonte.
Ninguém voltou para lhe ensinar o caminho.
Cansou de esperar.
Enxugou as lágrimas de crocodilo e deu alguns passos para trás para ter uma visão mais ampla.
Finalmente, por sua conta e risco, fez uma escolha.

"Diante de dois caminhos o melhor a se fazer é seguir um deles, o mais depressa possível. Não conjecturar demais. É tudo questão de arriscar-se ou não. Se ficar parado, o bode te alcança e faz de você sua cabrita de estimação..."
Foi uma cabrita durante todo o mês de abril.
Agora chega.

Por essa conclusão é que esta é uma histórica curta, sobre um tempo perdido e jamais recuperado.

Um comentário:

  1. Lembrete


    Não deixe portas entreabertas
    Escancare-as
    Ou bata-as de vez.
    Pelos vãos, brechas e fendas
    Passam apenas semiventos,
    Meias verdades
    E muita insensatez.

    (Flora Figueiredo, in "Calçada de Verão"

    ResponderExcluir